Follow by Email

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

A minha cirurgia

Foi dia 01/12/2011. Teve  início às 7h30 da manhã. Foi melhor do que eu esperava. Quando vi o Dr. Ricardo (meu mastologista) fiquei tranquila. Tomei a anestesia geral e quando acordei já era por volta das 12h, o Dr Ricardo veio me ver, já tinha falado com o meu marido, e me confirmou que a cirurgia tinha sido um sucesso, que ele tinha tirado todo o tumor. Meu marido ficou comigo no hospital o tempo todo. Meus pais vieram me visitar. No dia seguinte já estava de alta e minha família veio me dar mais força. Fiz a mastectomia radical modificada, com reconstrução imediata (com prótese de silicone) Apesar de sentir muita dor, quando estava no quarto a primeira coisa que fiz foi olhar para os meus seios.  E isso me fez me sentir melhor. Sei que cada caso é um caso,  mas a reconstrução ajuda muito na nossa auto estima Não importa se é imediata, depois de alguns meses ou anos. Hoje já fazem 29 dias que operei, ainda não posso pegar peso, nem fazer esforço. Meus pontos abriram um pouco, continuo com os pontos e fazendo curativo. Uso um sutiã pós cirúrgico e roupas leves e fácil de colocar pois preciso de ajuda para me vestir já que não posso levantar o braço (fiz esvaziamento axilar também). Estou bem , continuo sentindo dores mas cada dia um pouco menos... E estou muito feliz de ter passado o Natal em casa com a minha família. Agora aguardo o resultado dos exames para saber como vou continuar o tratamento. O Dr. Ricardo e a Dra. Martha (minha oncologista) já me prepararam para uma possível quimioterapia e depois radioterapia. E eu que achei que já estava livre......rsrsrsr. Mas não tem problema, fiquei meio chateada mas já passou, vou fazer tudo o que for preciso para me curar. Hoje fiz exames de sangue (há 2 meses que não fazia) Continuo o tratamento em janeiro.
FELIZ 2012!!!!
foto tirada com 2 meses após a cirurgia.

Cirurgia Reconstrutiva


Para mulheres que necessitam ou preferem se submeter a mastectomia radical ou mastectomia total, a cirurgia para reconstrução da mama retirada é uma op-
ção de tratamento. A reconstrução pode ser realizada 
ao mesmo tempo em que a mastectomia (reconstrução 
imediata) ou posteriormente (reconstrução tardia). 
Reconstrução imediata tem muitas vantagens. (É O MEU CASO)
Primeiro, há menor trauma psicológico, já que a mulher 
não precisa viver sem o contorno mamário por um 
período de tempo. Segundo, apenas uma cirurgia é 
necessária. Isto é importante, já que anestesia geral 
sempre tem um pequeno risco de complicações signifi-
cativas. Terceiro, o resultado estético da reconstrução 
imediata é, geralmente, melhor, já que alguma pele da mama pode ser preservada e incorporada ao novo 
contorno mamário.
No entanto, a reconstrução imediata não é adequada 
para todas as pacientes. Reconstrução mamária deve 
ser adiada se a paciente está insegura quanto a realizar a cirurgia, se radioterapia complexa no período 
pós-operatório está sendo considerada ou se anestesia 
prolongada irá, com certeza, aumentar o risco cirúrgico.
Reconstrução mamária pode ser realizada com uso de 
próteses ou do próprio tecido da paciente. Próteses são 
bolsas de silicone, preenchidas com líquido salino ou 
gel de silicone, que são colocadas cirurgicamente atrás 
da pele ou do músculo peitoral. A principal vantagem 
das próteses é que elas podem ser inseridas rapidamente e com facilidade; logo, o tempo cirúrgico é relativamente pequeno. No entanto, as próteses possuem 
diversas desvantagens: elas podem causar infecção e 
romper, causando extravasamento do líquido salino 
ou do gel de silicone. Próteses também podem causar 
contratura capsular, uma rigidez do tecido ao redor da 
prótese. Outra desvantagem é que, para muitas mulheres, o tecido peitoral necessita ser esticado por um 
período de quatro a seis meses antes da prótese poder 
ser implantada. Além disso, o tempo que a prótese irá 
durar, sem necessitar de substituição, é incerto.
Por estas razões, o uso do próprio tecido da paciente se tornou o método de escolha para a reconstrução 
mamária. Neste tipo de reconstrução, um retalho (pedaço) de pele e músculo (retalho miocutâneo) é retirado de outra parte do corpo e usado para reconstruir o 
contorno mamário. Existem diversos tipos de retalhos, 
cada um nomeado com o nome do músculo de origem. 
Os dois principais retalhos utilizados na reconstrução 
mamária são o retalho grande dorsal , retirado das costas, logo abaixo do ombro, e o retalho miocutâneo reto transversal abdominal (TRAM) , que é retirado do abdômen.
O retalho TRAM é, às vezes, chamado de retalho “barriga costurada”, já que tecido gorduroso do abdômen 
é usado para criar o contorno mamário. Em alguns 
casos, um retalho é puxado de um lugar para outro 
sem cortar vasos sangüíneos, para cobrir o local da 
mastectomia. Em outros casos, os vasos são cortados 
e reconectados com o uso de microscópios.
Mulheres que irão realizar reconstrução mamária 
imediata são candidatas a realizar mastectomia poupadora de pele, que permite remover menor quantidade de pele da mama. Isto, geralmente, inclui retirada do complexo mamilo-aréola e da pele do local de 
retirada do tumor ou da biópsia. Esforço é realizado 
para deixar a maior quantidade de pele possível, a 
qual será usada como envelope para a reconstrução 
do tecido.Se a mulher desejar reconstrução do mamilo, ela é geralmente realizada após, usando pedaços da pele ao 
redor. Após isto, é tatuada uma figura de mamilo e 
aréola, com uma cor semelhante à do mamilo e aréola 
contralateral

Mastectomia


A mastectomia implica a remoção de todo o tecido mamário, algumas vezes junto com outros tecidos próximos.
Em uma mastectomia simples ou total, o cirurgião remove toda a mama, incluindo o mamilo, porém não remove linfonodos axilares nem tecido muscular de baixo da mama. Às vezes, isso é feito com ambas as mamas (mastectomia bilateral), especialmente quando realizado como cirurgia preventiva em mulheres com propensão elevada ao câncer de mama. A maioria das mulheres, quando hospitalizada, pode voltar para casa no dia seguinte.
mastectomia radical modificada envolve a remoção da mama toda e de alguns linfonodos axilares. Essa é a cirurgia mais comum para mulheres com câncer de mama submetidas a remoção de toda a mama.
(Essa foi a cirurgia que eu fiz))
A mastectomia radical consiste de uma cirurgia de grande porte que remove toda a mama, linfonodos axilares e músculos peitorais (da parede torácica) sob a mama. Essa cirurgia foi bastante comum no passado. Entretanto, tendo em vista a desfiguração e os efeitos colaterais por ela ocasionados, e uma vez comprovado que a mastectomia radical modificada é tão eficaz quanto a mastectomia radical, hoje esta última é raramente realizada.
Para algumas mulheres com tumores menores, uma opção pode ser o novo procedimento conhecido como skin-sparing mastectomy (mastectomia com preservação cutânea), em que a maior parte da pele da mama (exceto o mamilo e a aréola) é conservada intacta.
Possíveis efeitos colaterais: Sem mencionar a dor do pós-operatório e a alteração evidente no formato da(s) mama(s), os possíveis efeitos colaterais da mastectomia e da lumpectomia incluem infecção da ferida, hematoma (acúmulo de sangue na ferida) e seroma (acúmulo de líquido incolor na ferida). Caso também sejam removidos linfonodos axilares, podem ocorrer ainda outros efeitos colaterais.